Desvendando o

Burnout

O sentimento de esgotamento é frequente no seu dia-a-dia? Você percebe que as pessoas não se conectam mais com os outros ao seu redor? Você anda intolerante ou percebe sua equipe mais desmotivada e improdutiva? As tarefas rotineiras parecem verdadeiros desafios?
Você talvez não saiba, mas isso pode ser Burnout.

Burnout

Mas o que é o Burnout?

A Síndrome do Burnout é uma problema grave, com consequência direta para cada pessoa, incluindo doenças físicas, aumento da sensação de desesperança, irritabilidade, impaciência e relações interpessoais precárias com familiares, colegas de trabalho e outras pessoas.

É o resultado do estresse mal gerenciado, impactado por situações adversas no ambiente de trabalho, potencializado pela necessidade de rápida adaptação a tecnologias de informação e comunicação.

Profissionais de saúde e professores estão os que mais sofrem atualmente – ou ainda vão sofrer – com o Burnout.
Mas ele é onipresente, está em todas as áreas e ocupações. Dá pra imaginar o porquê.

Alguns números do Burnout no Brasil

72%

De colaboradores em jornada integral de trabalho relatam um sentimento de Burnout ao menos uma vez (Gallup).

63%

Desses colaboradores são mais propensos a ficarem doentes, gerando afastamento e sobrecarga em quem assume as suas atividades, entre outros impactos.

2,6x

É o quanto esses colaboradores ficam mais propensos a procurarem emprego, gerando elevados índices de turnover com outras consequências, tanto para quem fica, como para as empresas.

32%

Ou aproximadamente 32 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com a Síndrome de Burnout, de acordo com estimativas da International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR).

Pressão desproporcional por resultados, alta velocidade de adaptação, remuneração inadequada, sobrecarga de atividades, ambiente tóxico, falta de autonomia e desalinhamento de valores estão entre as situações no trabalho que potencializam sentimentos negativos, sensação de incapacidade e inadequação, contribuindo para o Burnout.

A avaliação precisa é o melhor caminho para o tratamento correto do Burnout.

A boa notícia

é que acaba de chegar ao Brasil, com exclusividade, o Maslach Burnout Inventory Toolkit, uma ferramenta da plataforma americana Mind Garden, Inc. que combina duas ferramentas cientificamente comprovadas para avaliar o burnout, considerando dois elementos principais:
o indivíduo e o ambiente de trabalho.

O Maslach Burnout Inventory (MBI) mede as três escalas indicativas de Burnout.

Exaustão Emocional

Sentimentos relacionados à exaustão ou sobrecarga emocional relacionados ao trabalho

Cinismo

Comportamentos insensíveis e impessoais, falta de prazer e de conexão pessoal, intolerância

Eficácia Pessoal

Sentimentos de incapacidade, incompetência, desmotivação, baixa produtividade e eficiência no trabalho

E o AWS - Areas of Worklife Scale - avalia outros 6 itens fundamentais do ambiente de trabalho que contribuem para o Burnout

Carga de trabalho

A quantidade de trabalho a ser feito em um determinado tempo. A carga de trabalho captura a extensão de quais demandas de trabalho extravasam para a vida pessoal, as pressões sociais e as físicas e carga intelectual das demandas de trabalho.

Independência

Oportunidade de fazer escolhas e tomar decisões, resolver problemas e contribuir para o
cumprimento de responsabilidades. A independência é a sua participação em decisões importantes sobre o seu trabalho
bem como o seu leque de autonomia profissional.

Recompensa

Reconhecimento financeiro e social que você recebe por sua contribuição no trabalho. Recompensa inclui elogios, prêmios, vantagens e salário.

Comunidade

Qualidade do contexto social em que você trabalha, abrangendo seus relacionamentos
com gerentes, colegas, subordinados e outros.

Justiça

Até que ponto a organização tem regras consistentes e equitativas para todos,
ou a qualidade da justiça e do respeito no trabalho.

Valores

O que é importante para você em seu trabalho. O foco é a consistência entre os valores pessoais que você traz para a sua profissão e os valores inerentes à organização onde trabalha.

Bacana, né?

Está ao seu alcance fazer algo que realmente pode melhorar a saúde mental dos seus colaboradores, pra evitar e mitigar os efeitos do Burnout.
Preencha o formulário pra saber como.

Sobre nós

Rosângela Zarza

Fundadora da Andaro Educação e Desenvolvimento. É titulando como Didata, Supervisora e Orientadora em Psicodrama pela ABPS – Associação Brasileira de Psicodrama e Sociodrama. Especialista em Funcionalidade Humana e Sustentabilidade Ambiental pela UNESP

google-site-verification: google36bd7dcc359bb854.html